quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

"Para que percorres inutilmente o céu inteiro à procura da tua estrela? Põe-na lá". Vergílio Ferreira

A estrela...


Aquela estrela distanciava...
Tentei um telescópio; a imagem desaparecia,
Alguns detalhes iam se revelando...
Sim, aquela estrela estava fugindo do alcance de meus olhos
e talvez por ser ainda tão menina não percebia que não bastava olhar através da "ocular" para ver tudo o que aquele  instrumento poderia  mostrar; tão pouco bastaria que ela, a estrela soubesse que eu a observava de longe...
Meu coração precisava de tempo para perceber todos os detalhes de uma "imagem" e a razão precisava de treino pra tocar aquela estrela e fazê-la se sentir amada...
Sentiria-se amada? Ou era como uma pedra de gêlo?
Eu,  menina,  aumentava o "foco" – Pura ilusão 
Uma ocular potente,fornece uma imagem imprecisa ; grandes aumentos são utilizados apenas quando condições de atmosfera são extremamente favoráveis...
Não eram...
Não havia estabilidade e transparência...
Não havia "história", "sonhos", "sentidos"
Ventos, névoa e variações de temperatura eram efeitos negativos  evidentes ...
Apagou-se a estrela.
Uma estrela só brilha se a não deixares apagar dentro dos seus sentidos...
Deixastes...
Postar um comentário