quinta-feira, 29 de março de 2012


   
 FIM...

 Significado de Fim

s.m. O que termina; extremidade no tempo e no espaço: o fim do ano; o fim de um livro.
Cessação: o fim de uma luta.
Morte, desaparecimento: sentir chegar o fim.
Termo, objetivo para o qual se tende; intenção: alcançar seus fins.
Destino: o fim do homem.
Pôr fim a, terminar, concluir.
loc. prep. A fim de, com a intenção de, para.
 
loc. adv. Por fim, finalmente.


  "Se refletirmos em nosso dia a dia, 
existe e vai sempre existir um mistério sobre a palavra "fim" dentro desse universo. Exemplo: Se morre um planta e não cuidamos dela, e como em um passe de mágica vemos renascê-la novamente é um mistério, se até a raiz secou diante dos olhos de todos foi o fim da mesma.
Assim acontece: Com as plantas, os animais, e com os humanos, em situações do que achamos ser término e derrepente somos surpreendidos com um novo recomeço de tudo acreditamos que não existiria mais.
Ás vezes em caminhos e formas diferentes, com direções na qual não esperávamos seguir, sentimos nos revivendo o que afirmamos ter acabado e ser o fim. É um mistério que desafia até a ciência em muitos casos. Acredito que um poder misterioso rege o universo e tudo que nele existe"Deus", para nos desafiar e fazer compreender a nossa insignificância como humanos pensadores e questionadores com respostas aleatórias sobre esses mistérios."




sábado, 24 de março de 2012

Último capítulo. "Porque a vida é isto: uma mistura de sonhos e cores, flores e risos."





Os caminhos mudam. È preciso entendê-los.
"Tudo começa na hora certa. Nem antes nem depois.
Somente quando se está pronto para iniciar algo novo é que as coisas acontecerão."  



Íxia mudava a cada dia. Sentia-se mais ela mesma.
 Menos menina. Mais inteira.
A maturidade permitia-a desapegar-se de certos comportamentos repetidos.
Estava tomada pela leveza, andar parecia mais fácil.
Agora já guardava as cartas na gaveta ao invés de guardá-las no pensamento.
Fechava a gaveta... Ainda que a chave estivesse lá...
A afinidade entre ela e Lótus crescia.
A verdade é que ninguém entra em nossa vida por acaso,
e todas as pessoas que interagem com a gente têm algo para nos ensinar.
O inicio não foi tão simples, Íxia precisou de tempo para olhar pra dentro de si,
compreender os sentimentos, sentir o mundo para sentir a si própria. Reencontrar-se.
Eram diferentes. Enquanto era movida a urgências, Lótus era paciente,
sabia o que queria e esperaria o tempo que fosse preciso para conquistá-la;
e ela aos poucos ia deixando espaços vazios a ser preenchidos,

espaços que Lótus com seu amor sincero
verdadeiro, preenchia com carinho e respeito...
Íxia nunca tivera tanta certeza de ter encontrado a pessoa certa.
Sabia, estava construindo uma história de amor. Real.
Uma historia que parecia ja escrita no livro do destino.
Lótus em momento algum dissera

 "Caminhe  comigo porque este é o melhor caminho a seguir"
Deixava-a livre para descobrir que aquele caminho era de carinho e sinceridade e que caminhar juntos era muito bom e prazeroso.

O tempo passou...


Casaram-se.
Construiram juntos uma família linda na presença e amor de Deus.
Tiveram três filhos abençoados.
Não faltaram  problemas,  sobraram atitudes de amor.
Colheram as rosas, experimentaram os espinhos.
Nunca mais viu Lírio.
Teve noticias que se casara pouco depois dela com uma mulher especial inteligente e sábia.
O destino não quis que ficassem juntos ,mas permitiu aos dois, encontrarem

pessoas especiais.
Talvez ele nem se  lembre mais de Ixia, ou  talvez quem sabe se lembre

e sinta por ela o mesmo sentimento que ela sente por ele: afeto, respeito e carinho.
Viveram uma história bonita, que o tempo não apaga...
Até porque não se apaga da memória uma história tão bonita.
Um romance entre duas crianças que tiveram a oportunidade de se encontrarem
e  descobrirem o amor: puro, terno e doce.

FIM

segunda-feira, 19 de março de 2012

Pausa Poética...



Sim!
Quero o teu amor
Terno, sincero,presente.
Sim em palavras e gestos.

Sim ao diálogo.
Teus passos encontraram os meus
que agora seguirão os teus.
Entre nós,cumplicidade;
Afeto,carinho
Compreensão e fidelidade
Construiremos uma família
Eu e você.
Ano 1984


"Ainda que eu fale todas as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor sou como o bronze que soa ou o sino que retine... mesmo que tivesse toda a fé a ponto de, transportar montanhas, se não tiver amor, não serei nada.
Apóstolo Paulo
 

sexta-feira, 16 de março de 2012

Parte XXXIII (Penultimo capítulo) A vida é muito breve, um sopro na poeira do tempo... Paulo Roberto Gaefke

Intensa nos sentimentos, Íxia, vivia se equilibrando entre suas instabilidades,
Aprendera a língua do calar; as vezes silenciava...
Acreditava que chegara ao ponto de dividir telepaticamente emoções;
Bobagens! Pura ilusão...
Aquele amor era meio que "egoísta" crescia  das suas  fragilidades e expectativas.
Ainda que tivesse sido  um exercício puro, intenso,

e a tivesse acalentado por tanto tempo, era vazio, pois iniciava e terminava  em si mesma...
Reconhecer que nunca tivera de fato o amor de Lírio não foi tão simples; doeu.
Mas estava convencida de que o amor que vivenciara tinha sua beleza;
Não sabotaria o coração negando-o, como se ele não tivesse sido tão especial.
Esforçou-se sim em não abrir o coração em nome dos conceitos,
valores ou  sei lá o quê, mas por mais que tentasse ignora-lo , parecer indiferente ,
não seria injusta consigo mesma e com ele;
"A quele amor valeu todos os  sonetos;  poesias e sonhos"

Haveria de cantá-lo sim, num tom suave e doce,
A partir dele e por ele Tornara se melhor,
mais sensível, perseptiva, compreensiva, terna e romântica...
Sim! tivera a sua chance de descobrir o amor,
Ofereceria-o a quem nunca o tivera experimentado
Quem sabe "abriria uma janela" nalgum  coração fechado
para a  sua beleza e riqueza ...
Pensava tudo isso enquanto observava-o no sofá da casa da irmã,
ele  brincando com Lily, a sobrinha que ainda não completara um ano de vida;
menina linda,de olhos castanhos e vivos.
Precisava compreender. Aceitar que Lírio não tivera intenção de magoá-la,
mas agira movido tão somente pelo caminho que considerava melhor
e menos indolor para cada um...
Não! Não questionou Lírio!
Receio da resposta, ou do silêncio...
Exatamente com ele aprendera a linguagem do calar.
Lírio esquivava-se sempre. Media palavras.
Desviava o olhar quando percebia  o seu.
Mas ainda assim podia-se notar a olhos vistos
uma doçura qualquer, uma beleza que acendia por dentro...
Quem sabe o amor ainda estivesse lá...
Não Houve o toque das mãos,
Não houve o beijo, não sei se a intenção,
Não houve a briga de amor,
Não houve cobranças ou palavras duras, nem sei se intenção...
Houve respeito, carinho, ternura, amargura talvez...
Mas houve julgamentos de muitos em relação aquele encontro,
pedras foram  atiradas em Íxia,
 "não poderia receber o ex já que estava namorando"
Por um momento sentiu-se tão ofendida com aquelas acusações
injustas que teve vontade de voltar no tempo...
Teria feito tudo diferente...