quarta-feira, 25 de julho de 2012

Estar só nem sempre é "estar na solidão"
Pode ser um jeito de relacionar-se com a gente mesmo.
Tá na hora de parar de confundir as coisas.
Nem sempre estar junto significa estar feliz
e estar só  significa estar abandonado.
Imprescindível mesmo é estar conectado ao nosso "EU"

O centro é o coração de cada um e, por isso , a decisão de de fechar-se 

ou de se abrir deve estar baseada na percepção que temos de nós mesmos.
Cada um de nós reconhece seu momento.
Todos nós precisamos do outro, não porque sejamos insuficientes a nós mesmos,
mas porque é no ato de compartilhar  a nossa vida que nos tornamos mais inteiros, mais felizes, mais humanos.
Acho que toda pessoa deveria ficar sozinha de vez em quando, para estabelecer um diálogo interno e descobrir sua força pessoal e 
entender que a harmonia  só pode ser encontrada dentro dela mesma e não a partir do outro.
Essa percepção pode torna-la mais compreensiva quanto às diferenças, respeitando a maneira de ser do outro.

O amor de duas pessoas inteiras é bem mais saudável porque há o aconchego, o prazer da companhia e o respeito pelo ser amado.
É preciso compreender que somos a pessoa  que podemos ser.
Enxergar-nos com nossos olhos e não os dos outros.
Encontrar-nos em nossos "silêncios" ; que na verdade têm sido tão poucos, diante de tantas exigências e urgências... 

Regina Paoli

"Nunca deixe nas mãos de ninguém uma responsabilidade tão grande quanto a de assumir e promover sua felicidade!
SEJA FELIZ, mesmo que faça calor, mesmo que esteja doente, mesmo que não tenha dinheiro, mesmo que alguém tenha lhe machucado, mesmo que alguém não lhe ame ou não lhe dê o devido valor.
Peça apenas ao Universo/Deus/Espírito Maior que lhe dê serenidade para aceitar as coisas que você não pode mudar, coragem para modificar aquelas que podem ser mudadas e sabedoria para conseguir reconhecer a diferença que existe entre elas."


Postar um comentário