quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Parte XXIV Pecado? Só se fosse o pecado de amar sem ser correspondida...

Íxia queria um "peito emprestado" porque a dor não mais cabia no seu...
Enquanto caminhava pela praia tentava conter a tristeza porque precisava se adiantar e não queria complicar-se ainda mais, muito menos D Hera.
Já estava no horário do ônibus partir e ela estava ainda ali na praia...
Tentava caminhar mais rápido do que as lágrimas que mesmo contra a sua vontade e esforço escorriam pela sua face...
O emaranhado de sentimentos impunha-lhe tristeza que precisava conter.
Esticou os braços, sentindo o vento. Como amava o vento!
E aquela brisa
suave serenava-lhe o espirito.
Talvez estivesse começando a descobrir o sentido da vida:
"Viver é não esperar a tempestade passar, mas aprender como dançar na chuva."
Olhava ansiosamente o relógio. Uma hora de atraso.
Não sabia qual seria a reação da mãe.
Tinha certeza de uma coisa, D. Hera confiava nela.
Talvez por isso, aquela "transgressão" trazia-lhe um sentimento de culpa imenso.
Mas aí em fração de segundos se perdoava...
Afinal, qual o pecado cometido?
Pecado de Amar?

Havia conhecido um sentimento tão rico
que talvez a maioria das pessoas não tiveram a oportunidade de conhecer; o amor.
Tão puro que transbordava, dava-lhe asas, podia até tocar o céu...
Ah Sim! pensava Íxia agora em voz alta;
( Só se fosse o pecado de amar sem ser correspondida...)
De longe avistou o ônibus da Romaria. Todos já estavam acomodados. apenas a mãe aguardava-a do lado de fora.
A mãe olhou bem dentro dos seus olhos. Não disse nada.
Com os mesmos olhos de amor, puxou-lhe as orelhas.
De certa forma a mãe compreendeu a decepção da filha.
Sabia que algo havia acontecido. Estava triste.
Ocultar da mãe o que sentia era impossível,
pois os olhos sempre contavam a verdade; principalmente os seus queeram transparentes .
Talvez essa tenha sido uma das primeiras manifestações da mãe com aquele momento "adolescente apaixonada" vivido por Íxia.
Sentir aquela compreensão e carinho, abrandou-lhe o espírito

Entrou no ônibus.

Seguiram viagem...
Postar um comentário