domingo, 20 de novembro de 2011

Parte XVIII " Afinidade é uma energia ...Sentir sem a necessidade de explicar o que está sentindo...

O coração de Ixia vivia em estado de amor,
Uma energia positiva.
A luz que emanava de Lirio, alcançava-a...
Tinham afinidades.
Não importava as impossibilidades, os adiamentos, a distância, a ausência.
Uma carta bastava para retomar o afeto
Questionava-o muito mas aceitava suas desculpas sem o recriminar...
E não foram poucas as vezes que prometeu vir e na hora H, simplesmente não veio...
Uma de suas promessas foi na festa de 15 anos de Vivaz
Ela o esperou na estação.
O trem atrasou por quase duas horas e ela permaneceu alí
queria muito ir a festa com ele.
Havia feito planos. Ele seria seu par na Valsa de VIVAZ...
O trem chegou! Esperou que descesse o último passageiro
na esperança de que surgisse por qualquer porta de vagão...
Naquela noite, poderia ter ido a festa. Não lhe faltaria um par.
Tinha dezesseis anos, era inteligente, falante e amava dançar.
Não foi a festa. sentia-se impar...
E foi sempre assim...
E era sempre assim...
Uma simplicidade de sentimentos partilhados a Kms de distância...
Um mistério da alma, que não se media pelo tempo nem pela distância,
mas pelo sentimento bom que ocupava o coração um do outro
e que influenciava diretamente Ixia;
sua maneira de ser, de falar, de sorrir, de escrever.
Talvez seja tão singular e especial porque que foge à razão e transcende o tempo.
"Presentes" ainda que tão distantes...
Sim! tinham uma "energia positiva" tão forte, que as vezes encabulava .
Uma amizade, "laço" que conseguia tirar deles o que tinham de mais "bonito"...
Talvez eles fossem mesmo "anjos" um do outro...

Postar um comentário