domingo, 23 de outubro de 2011

"Parte X "Cartas são pílulas de amor táteis. Sentimento guardável.Escrever exige tempo e rascunhos e o último suspiro : será que eu mando?"

Ixia voltou a rotina.
Suas lembranças?
Uma multiplicidade de sentimentos.
Sensações que o coração ainda não compreendia.
Estava apaixonada?
A unica certeza que tinha era o desejo de vê-lo de novo
Ele? Talvez nem mais se lembrasse de sua existência...
Talvez?
A certeza chegou pela manhã quan
do se preparava pra ir pra escola.
Eram 10 hs da manhã quando o carteiro entregou uma carta,
Seu coração quase saiu pra fora.
Era dele... Só podia ser...
Correu, subiu pela escada do sotão e nem acendeu a luz.
Pegou uma pequena lanterna do seu pai.
Abriu a carta.
As palavras eram lindas, romanticas e determinadas.
"Diga sim e desde hoje serei teu namorado. Gosto de ti menina
Quero dizer pra ti que nunca mais saistes do meu pensamento"

Ixia não respondeu a nenhuma carta. Timidez.
(Mas desde este dia se sentiu enamorada e namorada.)
Este era o seu segredo....
Todos os dias ela chegava da escola, corria pro sotão
e pegava as cartas escondidas dentro de uma cama
guardada para as visitas.
( era uma cama dessas que dobravam e ocupavam muito pouco espaço).
Tinha um forro, "fundo falso" )
Lia,lia. Decorou uma por uma...
Mas um dia, chegou da escola e a cama não estava lá.
Sua Mãe dona Amarilís a havia doado.
Choreu. Chorou como uma criança que perde o seu brinquedo mais querido.
No seu caso, não mais um brinquedo; mas algo precioso, que alimentava seus sentimentos de menina moça.
Emoções e sentimentos guardados num coração que não cabia em sí
de felicidade...
Neste dia... se sentiu triste.
Uma luzinha se apagou pra ela..
Mas a lembrança das cartas, as emoções que faziam -na sentir;
a ternura, o afeto , o amor, Já moravam na alma...
Postar um comentário