domingo, 16 de outubro de 2011

Parte VII "O amor não se define; sente-se."

O sábado amanheceu nublado.
Dentro de Íxia temporada de claridade...
Era extrovertida; porém bastava-lhe muito pouco para se sentir triste;
Talvez o excesso de sensibilidade tornava-a assim tão inconstante.
Saíram cedo. Foram andar pela cidade. Bater perna como dizia D. Iris.
Enquanto atravessava a rua, olhava pro céu, pedia em silêncio a Deus
que segurasse só mais um tiquim a chuva...
(Íxia tinha uma proximidade com Deus interessante.
Acreditava na sua existência e em seu poder, respeitava-o,
mas não o tinha como "aquele que punia"; ao contrário,
o sentia como aquele que estendia-lhe os braços,
ouvia seus questionamentos mais íntimos,
Suas alegrias e suas tristezas. Alguém que a conhecia a fundo e ainda assim a amava...)
Estava tão distraída que não viu que Lirio vinha de bicicleta em sua direção.
Tomou um baita susto. Já estava a menos de dois metros dele; o menino de pernas finas e tortas
de dente encavalado mais lindo que alguém já teve oportunidade de conhecer...
Nunca sabia como agir diante dele, ainda mais assim no susto. Apenas sorriu.
Ele em resposta esboçou um sorriso largo, por entre os dentes.
H
avia uma grande diferença entre meninos e meninas;
Enquanto as meninas eram mais emotivas, mais ligadas as coisas do coração,
Gostavam de sentir, amor, amizade, felicidade, entusiasmo...
Meninos eram mais exibicionistas,
além de outras coisas como jogar futebol, soltar pipas,
brincar de biroscas , jogar finquim,
gostavam de aparecer e se exibir diante dos colegas.
E foi exatamente numa dessas exibições pra chamar sua
atenção
que a sua bicicleta esbarrou numa pedra e ele se desequilibrou.
Ficou envergonhado pelo tombo diante de todos. Principalmente diante dela.
Montou rapidamente, enquanto os demais o acompanhavam dando estrondosas gargalhadas...
Vivaz não se conteve em risos, enquanto Íxia teria coragem de mudar de lugar com ele só pra livrá-lo daquele mal estar ...

Sempre foi assim, se pudesse tomava pra si as dores do mundo,
principalmente das pessoas que moravam no seu coração...


Postar um comentário