terça-feira, 15 de março de 2011

Parabéns POETA!


Amigo Carlos ,

Você é uma "estrela"
Tens um brilho diferente...
Um eterno "passarinho aprendiz"
Um " ícaro moderno"?
Sim,sentes todas as dores
presente e passado. Tem "frágil coração"
Um "Fênix"
Dentro de ti mora a esperança
que o faz renascer em cada queda...
Renasce em cada por do sol
as vezes ferido e machucado,
mas cada vez mais forte e com mais vontade
de lutar,
Segues o "trilho"
Não se perde...
"Alienígena"?
Não.
Ser humano ma sua "própria medida"...
As vezes um "palhaço"
que sorri mesmo com vontade de chorar...
Um anjo, essencialmente "alma"...
Uma flor,
que nasce todo dia
da semente que germina em terra fria...
Um poeta!
Ah! Sim! Um poeta!
Sem o ùltimo conto de fadas, ele não existe
porque o poeta é um eterno sonhador
e sonhosnão morrem
tampouco envelhecem...


RECICLAGEM

Um dia "eu quis ser uma estrela", como um "Narciso".
Sem "maquiagem', dando "o melhor de mim", andando nos meus próprios "trilhos".
Mesmo sendo um "passarinho aprendiz" e acreditando que a felicidade é "pseudo,
voava até o "pôr-do-sol" buscando "o poema que eu não fiz".
Talvez ele estivesse naquele conjunto de "quadros na parede".
Ficava olhando "da minha janela", a "lua de todos' os "homens'
e sentia "medo" que aquele "sonho" se transformasse em uma "liberdade triste",
fazendo de mim um "Ícaro moderno".
Felizmente, muitas vezes naqueles "quartos de pensão", eu ouvia "o som de Deus" me dizendo:
Tire esse “cuidado, frágil” do coração, "ainda resta uma esperança".
Então eu pegava uma "folha branca" qualquer e renascia como "Fênix", tão brilhante que as pessoas perguntavam:
"Que luz é essa"? "Quem é você"? Eu respondia: Eu sou o que sou. Nem "alienado, nem alienígena".
Sou o que ando, o que falo, o que penso. Sem deficiências ou excessos.
Sou o que sou na minha própria medida. Talvez um anjo sem rosto, mas não sem alma.
Às vezes era o palhaço que chorou no meio da cena.
Por isso, quando estava chorando podia estar sorrindo por dentro.
E às vezes se estava gargalhando, podia estar chorando também.
Às vezes fui aquela flor que morreu naquele "amor de primavera",
mas ainda não era o meu "último conto de fadas", porque "eu era diferente",
apaguei do meu "pensamento" aquele "dia em que eu não quis sair de casa" e voltei "àquela rua",
porque graças à minha "retórica", fui "forte" e hoje só penso em brindar com "champanhe"... o meu "sonho das estrelas".
(CARLOS SOARES)

Texto elaborado com títulos( em aspas) dos poemas desse poeta. que é um ser humano lindo (Carlos Soares de GV)

Deus te abençôe sempre,
Deus foi muito generoso comigo
quando me presenteou com a sua amizade.
Forte abraço de Jaime,eu, e
toda nossa família Cunha Rodrigues.
Postar um comentário